D’Addario XL EJ20 Jazz Extra Light

A escolha do encordoamento certo para o estilo do guitarrista é um fator muito importante. Não adianta possuir a guitarra dos sonhos se as cordas utilizadas não forem compatíveis com as características do instrumento escolhido ou não atenderem às exigências de performance e timbre peculiares a cada estilo musical.

A linha de encordoamentos da D’Addario é uma das mais extensas e completas e, mesmo assim, continua a oferecer cada vez mais opções, provando ser uma empresa bastante sintonizada com as tendências musicais, que influenciam diretamente o mercado. A D’Addario foi uma das primeiras a disponibilizar encordoamentos híbridos e a suprir o mercado com jogos para guitarras de sete cordas.

O EJ20 é um encordoamento .010 destinado aos amantes de jazz moderno, com pitadas de fusion e rock. Possui enrolamento tradicional, revestido de níquel, não se tratando de um encordoamento liso (flatwound), normalmente associado ao jazz. Por isso, possui um pezinho no rock. Para os mais puristas, a empresa já tem em seu catálogo a linha Chromes.

Instalei um jogo de EJ20 numa guitarra Michael Jazz Action, também avaliada nesta edição, e a união foi perfeita, pois é um instrumento que tem o perfil exato para uma análise desse encordoamento. Realizei pequenos ajustes e o resultado em termos de timbre, tensão e ação das cordas no braço foi excelente. Esse jogo tem espessuras muito bem escolhidas para uma guitarra de jazz, mas com boa dose da maciez e pegada de um jogo .010 convencional.

A corda E aguda é a .010 tradicional da D’Addario, confiável ao extremo. Na seqüência, vem uma B .014, um pouco mais pesada, pois a corda standard seria .013. A próxima é uma G .022 encapada, que gera uma tensão superior a uma corda lisa e não é muito indicada para bends, pois tem uma alma muito fina e frágil, dando a impressão de que vai estourar no primeiro bend mais radical. Em contrapartida, ela gera um timbre mais propício para trabalho de acordes e é perfeita para estilos de jazz tradicional, como bebop. Uma D .030 mantém a tensão jazzy, pois chega a ser mais pesada que a D de um jogo .011 (.028). Por falar em .011, a A .038 e a E grave .049 são iguais às de um jogo convencional de .011 D’Addario (EXL 115), mas possuem a tensão adequada para a proposta de um encordoamento autodenominado Jazz Extra Light, visto que, geralmente, as guitarras do gênero apresentam escala de 24¾”, como a Michael utilizada no teste, o que ajuda a diminuir bastante a tensão.

Essa miscelânea de espessuras e tensões distintas compõe um encordoamento com excelente timbre e tensão moderada, perfeito para jazz, mas com uma maciez e pegada que não causarão estranhamento nem mesmo aos já submetidos a anos de rock and roll. Para ser um grande fabricante de cordas, é preciso penetrar nas mentes dos guitarristas, como faria um grande psicanalista… D’Addario explica!

D’Addario XL EJ20 Jazz Extra Light

Indicado Para
Guitarristas de jazz que desejam um encordoamento leve, com tensão e personalidade ideais para estilos como bebop, mas com boa dose de atitude roqueira encontrada somente em jogos com enrolamento convencional.

Prós
Ótimo timbre. Tensão equilibrada. Pegada perfeita para jazz sem ter de recorrer a um encordoamento liso.

Contras
Corda G encapada inibe a utilização de bends, mas essa é a idéia.

Visite o site e conheça nossos produtos: www2.musical-express.com.br/daddario

Curtir no FacebookTwitterMais...

agosto 8, 2008 Testes de produtos