Curso de gravação de bateria

Ocorreu nos dias 07 e 08 de novembro de 2009, no IBVF – Instituto de Bateria Vera Figueiredo, curso de GRAVAÇÃO PARA BATERIA ministrado por Daniel Oliveira e Marcus Lyra.

Com carga horária de 14 horas, distribuídas entre os dois dias, o curso abordou seleção de equipamento, técnicas de afinação e timbragem, técnicas de microfonação, equalização, periféricos (compressores, gates etc), gravação não-linear, técnicas de escrita em quadratura, técnicas de escrita e interpretação de charts e comunicação em estúdio. Os alunos também passaram pela experiência de gravar músicas em várias situações reais, aplicando os conceitos abordados.

Daniel Oliveira

Nascido em Belo Horizonte (Minas Gerais), mudou-se aos dez anos de idade para Brasília (Distrito Federal), onde começou a estudar música e se apresentar, mais tarde fazendo turnês nacionais e internacionais, com vários trabalhos de diversos estilos musicais como: Heartbreakers, Condomínio do Sax, Jürgen Friederich, Bocato, Nelson Faria, Affinity Jazz Trio and ensemble, Rony Motta, Bsb Disco Club, Soul What and Funk’ n Jazz. Tocou com as seguintes orquestras: Brasília Popular Orquestra, Jerry Cecco Big Band Ensemble, Brasília Swing Phonic Band, Orquestra de Jazz da Universidade de Brasília e Ted Moreno Orquestra.

Como ganhador da bolsa de estudo, oferecida por mérito, a “Best Scholarship”, estudou na prestigiosa Berklee College of Music, em Boston, Estados Unidos. Também recebeu o “Provost Excellence Award” da UofL, prêmio oferecido pelo estado de Kentucky a quem detém a melhor nota nas audições do departamento de música.

Apresentou-se em diversos shows e ministrou workshops na UofL, University of Louisville; The Dayton University (Ohio); The Indiana University (Indiana); The Michigan State University e The Western Michigan University (Michigan) além de uma série de vinte workshops em escolas de 1º e 2º graus, no condado de Hardin, através da New Performing Arts. Também tocou no Festival de Jazz de Viena (Áustria), e na semana brasileira do Hyatt Regency Istambul (Turquia).

Mudou-se para São Paulo em 2005, mantendo uma ativa carreira tanto como professor e coordenador de curso do IBVF, quanto como baterista freelancer, tocando com renomados grupos, entre eles a Orquestra Heartbreakers, Marcos Borelli Trio, Orquestra Heartbreakers, José Staneck, Guta Menezes, Fabrício Casarejos, and Otavio Castro. Também é membro da equipe do Batuka! International Music Festival, exercendo a função de intérprete.

Juntamente com Vera Figueiredo, lançou pela editora norte-americana Hudson Music, o play-along “Vera Cruz Island-Brazilian Rhythms for Drumset”, o primeiro de uma série de livros escritos em parceria com a baterista e baseado em seu último álbum.

Escreve regularmente para a revista Batera e Percussão, na qual foi capa da edição do mês de dezembro de 2008 com seu estudo sobre o uso de diagramação em fraseologia, além dos artigos de capa de julho (polirritmia) e agosto (utilização de frases através das barras de compasso) do mesmo ano. Também escreve para a coluna “Perfil”, abordando o jazz na bateria, através de sua história e análise estilística.

Foi o entrevistado e co-roteirista do programa especial mão na massa sobre a história do jazz para a bateria, no site Show Livre, em novembro de 2008. Em março do mesmo ano, foi entrevistado pelo site O Baterista, abordando a polirritmia e maneiras otimizadas de aproveitamento técnico. Em julho de 2009, apresentou-se na 11ª edição do Batuka! Brasil International Drum Fest.

Marcus Lyra

Começou sua carreira como guitarrista estudando na escola de música com Genil de Castro, Marcelo Ramos, Ricardo Batista, e Marcel Carvalho.

Em 1998, foi convidado para trabalhar no estúdio HI FI (DF) como técnico de som. Autodidata, no estúdio aperfeiçoou sua técnica de gravação trabalhando com músicos e bandas de Brasília, tais como: Corindó, Celso Salim, Cadabra, Choro de Calango, Gramofocas, Roca Cola, A Caixa, Capitão do Cerrado, Linha Direta, Tribalwê, entre outras.

Em Brasília foi técnico de P.A. para bandas, entre elas Corindó, Black Brasil, Capitão do Cerrado, Funk’n Jazz, Rachando o Bico Big Band, Sentupé, Soul What, entre outras.

Em 2003, mudou-se para São Paulo, onde trabalhou para o SESC/SP e o estúdio Minimax. Em 2005, mudou-se para Berkeley, Califórnia (EUA), gravando no estúdio Persa até 2007, quando retornou a Brasília.

Atualmente, Marcus Lyra é o técnico de P.A. da cantora Ellen Oléria e técnico de gravação do estúdio Sinal Áudio, onde vem gravando, produzindo, e mixando seus trabalhos.

Experiência em softwares: Pro Tools, Nuendo, Vegas, Reason, Sound Forge, entre outros.

Confira as fotos do curso!

Curtir no FacebookTwitterMais...

novembro 11, 2009 News